Estrutura da Força Aérea
Aeródromo de Manobra Nº 1
AM1
INÍCIO . Estrutura da Força Aérea . Aeródromo de Manobra Nº 1

< voltar

Aeródromo de Manobra Nº 1
Maceda

Missão

Garantir a prontidão das Unidades Aéreas e o apoio logístico-administrativo de unidades e órgãos nelas sediados mas dependentes de outros comandos, bem como a segurança interna e a defesa imediata.

 

Competências

a) Garantir o estado de prontidão necessário à operação das Unidades Aéreas que a ele se dirigem ou nele se encontram destacadas;

b) Garantir a exploração dos serviços de aeródromo e de rádio ajudas;

c) Executar as tarefas logísticas e administrativas de apoio geral;

d) Garantir a segurança militar e a defesa imediata da área onde se encontra implantada e de outros pontos sob a sua jurisdição;

e) Apoiar logística e administrativamente o Centro Treino Cinotécnico da Força Aérea e a Delegação Norte do CRFA.

 

História

O Aeródromo de Manobra Nº 1 (AM1) da Força Aérea está localizado em Maceda - Ovar, 30 Km a Sul da cidade do Porto. A sua construção iniciou-se por fases, em 1957, tendo ficado concluída em 1966.

Inicialmente, a infraestrutura teve como finalidade proporcionar facilidades de estacionamento e apoio a aviões de Patrulhamento Marítimo da NATO, em caso de guerra (Guerra Fria).

Em 22 de novembro de 1963, pela Portaria Nº 20183, entretanto revogada pela Portaria Nº 20363 de 06FEV64, foi definido que o AM1 dependia da 1ª Região Aérea «para o enquadramento do pessoal da Força Aérea necessário à guarda das instalações e sua manutenção em estado de utilização». Era sua missão apoiar aviões de patrulhamento marítimo e luta antisubmarina nas áreas «Southern Cinceastlant and Cinciberlant».

A Portaria Nº 20584 de 13MAR64, atualizou a finalidade do AM1 para «enquadramento eventual de unidades aéreas operacionais», tendo sido utilizado por forças aéreas da NATO: Portugal, França, Reino Unido e Estados Unidos.

Em 2 de abril de 1965 foi atribuída à Força Aérea a responsabilidade da manutenção e operação do AM1/INOVAR. É esta a data que, desde 1980, tem vindo a ser comemorada como «O DIA DA UNIDADE».

Em novembro de 1975 convergiram para o AM1 os meios aéreos adequados que possibilitaram o desfecho conhecido do 25 de novembro de 1975, aqui comemorado em 1980 com a presença de Sua Excelência, o Presidente da República.

Em 22 de janeiro de 1986 é criado o Centro de Instrução Cinotécnico do Corpo de Polícia Aérea (CICCPA). Sedeado no AM1, ficou com a Missão de formar equipas cinotécnicas e manter, em permanência, uma equipa de demonstração apta a divulgar o trabalho com cães militares.

Com a extinção do Corpo de Polícia Aérea, O CICCPA ganhou a sua atual designação de Centro de Treino Cinotécnico da Força Aérea (CTCFA).

Em 2011 o CTCFA comemorou 25 anos ao serviço da Força Aérea tendo, ao longo da sua vida, sido responsável pela formação de mais de 1500 militares entre Treinadores, Monitores e Instrutores bem como de igual número de cães militares. Desde então, este binómio homem/animal tem-se constituído como importante elemento da defesa próxima na maior parte das Unidades da Força Aérea. Simultaneamente, através da sua equipa de demonstração, tem divulgado a sua atividade de excelência ao mesmo tempo que tem contribuído para a dignificação e engrandecimento da imagem da Força Aérea.

No dia 06 de outubro de 2004 é implementado no AM1 um Centro de Divulgação da Defesa Nacional. É através deste Centro que longas centenas de jovens, de ambos os sexos, da zona Norte do país têm o primeiro contacto com a realidade da Defesa Nacional, das Forças Armadas Portuguesas e da Força Aérea em particular.

A 6 de abril de 2005, por ocasião das comemorações do Dia da Unidade, foi inaugurado no AM1 o Pólo do Museu do Ar, no Norte do país. O Museu apresenta um espólio apreciável composto por diversas aeronaves, veículos de apoio diverso e um vasto conjunto de outros equipamentos/materiais relacionados com as mais diversas áreas de operação da Força Aérea Portuguesa. Esta Infra-estrutura encontra-se aberta ao público, sendo um pólo de atração para visitantes das mais diversas nacionalidades.

Desde a sua implantação e no cumprimento da missão atribuída, o AM1 tem apoiado inúmeros eventos nacionais e aliados. Assim, na vertente nacional, verificou-se a sua utilização por destacamentos aéreos das Esquadras 501 (C-130H) e 601 (P-3P) que se deslocaram para a Unidade a fim de efetuar missões de qualificação das suas tripulações. Igualmente, as Esquadras 201 e 301 (F-16) aqui efetuaram missões de treino operacional e alerta de Defesa Aérea. Também a Academia da Força Aérea elegeu o AM1 como Unidade ideal para efetuar a largada de futuros Pilotos Aviadores, bem como para a realização dos exercícios de Comando e Liderança e Exercícios Finais. Na vertente aliada, o AM1 recebeu destacamentos da NAEW Component com o E-3A AWACS bem como destacamentos de C-130 da Força Aérea Belga.

Tem ainda servido de plataforma de apoio a eventos de alta visibilidade a Norte de Portugal, nomeadamente as Comemorações do Dia de Portugal e das Comunidades Portuguesas, Comemorações do Dia da Força Aérea e a realização do Exercício Felino 2008 que envolveu todos os países da CPLP.

Em 2010 acolheu, como Unidade da Host Nation, diversos treinos da Esquadra do F-16 MLU, com vista ao FORCEVAL da NATO que decorreu em março de 2011, para certificação das componentes Operacionais, Logística e Force Protection da Esquadra 301 para fazer face aos compromissos internacionais assumidos.

Na vertente do apoio a missões de interesse público, o AM1 acolhe, há vários anos, o destacamento permanente de um ALIII da ESQ 552 da BA11, para Busca e Salvamento na zona Norte do país bem como tem servido, sempre que necessário, de base a meios aéreos dedicados a operações de combate a incêndios florestais. Da mesma forma, tem apoiado missões de transporte de equipas médicas de recolha de órgãos para transplantes urgentes na zona Norte do país.

 

 


Brasão

Aeródromo de Manobra Nº 1

Escudo -

De verde, chefe banda de prata carregado, na dextra, da estrela de quatro pontas, da OTAN, de branco e azul.

Divisa - Num listel de branco, sotoposto ao escudo, em letras de estilo elzevir, maiúsculas, de negro: ««SOU DA FORTE EUROPA BELICOSA»».

Coronel Aeronáutico -

É de ouro, constituído por um aro liso com virolas nos bordos superior e inferior, encimado por oito pontas, das quais cinco aparentes. A ponta central e as laterais são encimadas por duas asas de águia estendidas. As pontas intermédias são encimadas por cruzes de Cristo.

Simbologia

O Chefe e a Banda - são alusão  às  pistas  utilizadas  pela  OTAN  de cujo símbolo foi retirada, a estrela de quatro pontas, que carrega o chefe na dextra.
A Divisa - «SOU  DA  FORTE  EUROPA  BELICOSA»  verso camoniano, canto I, V.64, afirma a posição da Unidade no contexto da OTAN.
Coronel Aeronáutico - é sinal distintivo privativo da Força Aérea que com ele caracteriza todas as suas Unidades e Órgãos.
A prata - significa a humildade e a riqueza.
O verde - representa o campo e simboliza a esperança e a fé na paz entre os povos.


Estandarte da Unidade

Esquartelado de verde e prata, com bordadura de verde, acantonada de prata.
Ao centro do estandarte, brocante sobre o ordenamento geométrico, um listel circular de branco contendo a divisa «SOU DA FORTE EUROPA BELICOSA» em letras de estilo elzevir, maiúsculas, de azul
Dentro do círculo branco delimitado pelo listel contém-se um escudo com o Brasão de Armas da Unidade, aprovado pelo despacho n.º 3/88 do CEMFA.
Em cada canto da bordadura do estandarte inscrevem-se bordadas e de cor azul as iniciais AM1.
O Estandarte está debruado por um cordão de cor branca e azul franjado de prata.


Brasão de Armas do Comandante

Aeródromo de Manobra Nº 1

Escudo - de verde, chefe banda de prata carregado, na dextra, da estrela de quatro pontas, da OTAN,  de branco e azul.
Divisa - num listel de branco, sotoposto ao  escudo, em letras de estilo elzevir, maiúsculas, de  negro:
««SOU DA FORTE EUROPA BELICOSA»».
Elmo - de prata, com  grades e guarnições  de ouro, tauxiado  e  forrado de  azul e colocado a três quartos para a dextra.
Correia - de sua cor, afivelada e perfilada a ouro.
Paquife  - de prata, verde e azul.
Virol - prata e verde.
Timbre - estrela do escudo.


Simbologia
O Chefe e a Banda - são alusão  às  pistas  utilizadas  pela  OTAN  de cujo símbolo foi retirada, a estrela de quatro pontas, que carrega o chefe na dextra.
A Divisa - «SOU  DA  FORTE  EUROPA  BELICOSA»  verso camoniano, canto I, V.64, afirma a posição da Unidade no contexto da OTAN.
O ouro - simboliza a firmeza e a sabedoria.
A prata - significa a humildade e a riqueza.
O verde - representa o campo e simboliza a esperança e a fé na paz entre os povos.


Dependência Hierárquica

Comandante do Aeródromo de Manobra Nº 1

Morada e Contactos

Morada

Rua da Base Aérea
3885-718 - Maceda

GPS
40º 55' 26.5872'' N
-8º 38' 6.7308'' W

Telefone
25 679 09 00

Fax
25 679 09 97


Imagens

APOIO
VERSÃO MÓVEL | COPYRIGHT © 2017 FAP - DCSI. - WEBTEAM | Símbolo de Acessibilidade na Web