Academia da Força Aérea

Missão

A Academia da Força Aérea (AFA) tem por missão formar os oficiais do Quadro Permanente (QP) da Força Aérea, habilitando-os ao exercício das funções que estatutariamente lhes são cometidas, conferir as competências adequadas ao cumprimento das missões específicas da Força Aérea e promover o desenvolvimento individual para o exercício de funções de comando, direção e chefia, através do desenvolvimento de atividades de ensino, de investigação e de apoio à comunidade.

 

Visão

Afirmar a AFA como escola de formação de Comandantes e instituição de ensino superior público universitário militar de referência nacional e internacional, pela excelência do seu ensino, formação, qualificação e investigação, em particular no domínio aeroespacial com interesse para a defesa, alicerçada numa cultura de patriotismo, liderança responsável, coimpetência, disciplina, inovação e rigor, materializando o seu propósito "preparar hoje os chefes de amanhã".

Divisa e Lema da AFA:

"Preparar Hoje os Chefes de Amanhã"

"e não menos por armas que por letras"

 

Valores

"Porém, não existe qualidade...sem valores!"

Ciente que a Força Aérea é, há muito, uma reconhecida "escola de competências" e uma indubitável "escola de cidadania", que contribui decisiva e simultaneamente para o desenvolvimento do país e para a garantia da preservação dos "valores perenes da nação", a orientação estratégica da AFA, para alcançar os mais elevados padrões do saber e do conhecimento, assenta num sólido e coerente conjunto de valores, cuja aplicação contribui decisivamente para a motivação de todos quantos estudam e servem na AFA e que se alicerçam nos paradigmas que caracterizam a vivência e a condição militar, expressos, entre outros, no Código de Honra das Forças Armadas e que se podem sintetizar em:

Patriotismo; Lealdade; Honra; Disiplina; Camaradagem.

 

Competências

a) Ministrar cursos universitários de formação inicial, organizados num ciclo de estudos integrado conducente à obtenção do grau de mestre;

b) Ministrar cursos politécnicos de formação inicial, organizados num ciclo de estudos conducente à obtenção do grau de licenciado;

c) Ministrar estágios técnico militares visando a adaptação e integração, em especialidades da Força Aérea, de licenciados ou mestres formados noutros estabelecimentos de ensino;

d) Cooperar ou associar-se a estabelecimentos de ensino superior, nacionais ou estrangeiros, no âmbito de protocolos e convénios, na realização de cursos ou atividades conducentes à obtenção dos graus académicos de licenciado, mestre e doutor;

e) Ministrar e apoiar a realização de outros cursos de pós-graduação;

f) Ministrar cursos, estágios ou atividades complementares de formação, em resposta a necessidades específicas da Força Aérea ou em áreas de interesse para o desenvolvimento do saber aeronáutico;

g) Promover e participar em projetos de investigação pluridisciplinar com interesse particular para a Força Aérea;

h) Promover o intercâmbio cultural e a cooperação técnica e científica com instituições nacionais e internacionais;

i) Desenvolver ações de cooperação e apoio à comunidade, numa perspetiva de valorização recíproca.

HISTÓRIA

Criada pelo Decreto-Lei 27/78, de 27 de janeiro, a Academia da Força Aérea surge para dar resposta a uma necessidade há muito sentida pela Força Aérea, de dispor de uma Academia própria, para formar os seus oficiais para o Quadro Permanente.

Com instalações próprias junto à Base Aérea N.º1, na Granja do Marquês, a norte da serra de Sintra, a AFA iniciou as suas atividades no dia 1 de fevereiro de 1978, apenas com os alunos do 3º ano do curso de Aeronáutica Militar, que vieram da Academia Militar, onde até então eram formados todos os oficiais da FAP. Com o desenvolvimento progressivo das suas instalações, foi possível alargar o âmbito da atividade escolar aos restantes cursos, e no ano letivo de 1991/92 iniciaram-se os cursos de Eng.ª Aeronáutica, Eng.ª de Aeródromos, Eng.ª Eletrotécnica e Administração Aeronáutica, que são completados em estabelecimentos de ensino superior público universitário. Ainda no ano de 1991/92, a Escola Superior de Tecnologias Militares Aeronáuticas (ESTMA), dependente do Comando da AFA, dá início à formação dos Oficiais Técnicos do QP da FAP, ministrando cursos politécnicos.

A partir do ano letivo 2006/7, foi criado na Academia o Centro de Estudos Avançados, nas instalações do extinto Instituto de Altos Estudos da Força Aérea, com a missão de ministrar cursos e ações de formação complementar. Natural e fiel depositária das tradições das escolas de formação militar aeronáutica, a AFA assume-se responsável por perpetuar essas mesmas tradições, assentes em valores como o patriotismo, a honra, a disciplina, a coragem, a destreza e a audácia, que temperam os militares da Força Aérea.

No ano letivo de 2006/07, foi feita a adaptação dos planos de estudo da AFA ao Processo de Bolonha, nas unidades curriculares nas especialidades de Pilotagem Aeronáutica, Engenharias e Administração Aeronáutica.

Em 2008, foi extinta a Escola Superior de Tecnologias Militares Aeronáuticas, na sequência da publicação do Decreto-Lei nº 37/2008, de 5 de março, diploma que regula o ensino superior público militar, passando os cursos politécnicos a ser ministrados na AFA.