Estação de Radar N.º 4

Missão

A Estação de Radar N.º 4 (ER4), localizada no Pico do Areeiro, é um elemento de componente operacional do sistema de forças, da responsabilidade da Força Aérea, com a missão de garantir a prontidão dos meios de deteção e de comunicações integrados no sistema de comando e controlo aéreo.

HISTÓRIA

A criação da Estação Radar N.º 4 (ER4), situada no Pico do Areeiro, na ilha da Madeira é parte integrante e fundamental do projeto de extensão do “Sistema de Comando e Controlo Aéreo de Portugal” (SICCAP) ao arquipélago da Madeira.

Depois da concretização deste projeto na área de Portugal Continental, a sua natural extensão à Madeira, denominada Fase 3 (POACCS III), foi considerada, dentro da localização geoestratégica e da definição de ameaça atual, prioritária relativamente à posterior e completiva extensão ao arquipélago dos Açores (Fase IV).

O POACCS III, operante em efetividade durante 24 horas por dia e durante todo o ano, com as suas capacidades próprias e hodiernas, para além de ampliar o alcance essencial da defesa aérea nacional, permitindo a vigilância e o controlo do seu Espaço Estratégico de Interesse Nacional (EEIN), e ser um fator persuasor e determinante na afirmação de soberania, permite ainda aumentar substancialmente a eficácia e segurança no cumprimento de outras missões de interesse público, designadamente missões de alerta, busca e salvamento, fiscalização das atividades de pesca e da prática de atos ilícitos, e ao mesmo tempo a proteção do ambiente.

No âmbito da segurança da navegação aérea, acrescente-se que a disponibilização do sinal do radar secundário da Madeira, ao Centro de Controlo de Tráfego Aéreo de Lisboa, contribuirá para a melhoria no controlo e segurança do tráfego aéreo desta região.

Considera-se como data oficial do início deste projeto o dia 19 de novembro de 1999, tendo os respetivos Requisitos Operacionais sido aprovados em 11 de janeiro de 2000.

A escolha do local da instalação desta Estação Radar, das particularidades das necessárias infra-estruturas, sua construção e monitorização e do arranjo paisagístico da zona envolvente, resultaram dos referidos Requisitos Operacionais, de estudos prévios in loco, do Estudo de Incidência Ambiental do IDAD (da Universidade de Aveiro) e de recomendações da Comissão Europeia.

Neste sentido, no dia 6 de agosto de 2004 foi, então, assinado o contrato técnico (POACCS III) de fornecimento e instalação dos equipamentos em causa com a firma Indra Systems, S.A, que compreendia, essencialmente, um radar de defesa aérea primário, tridimensional, de longo alcance (LANZA 3-P), um radar secundário (Monopulse Secondary Surveillance Radar – MSSR), conjuntamente com comunicações associadas (UHF e VHF) e um novo subsistema de “Link 11” (este último subsistema instalado na ilha de Porto Santo).

Por sua vez, o concurso relativo à construção das infraestruturas da Estação de Radar foi outorgado em 9 janeiro de 2009 à firma construtora FDO.

O radar da ER4, situado a 1.813 metros de altitude, cuja instalação está sujeita a fortes condicionalismos e circunstâncias meteorológicas adversas, sobretudo nos meses de Inverno, como seja a neve, acumulação de gelo e ventos fortes, começou a transmitir o primeiro sinal de radar para o CRC (Centro de Relato e Controlo) Monsanto em 9 de maio de 2012, considerando-se, assim, este dia o dia da Unidade.