Nasceu na freguesia de Vinhó, concelho de Gouveia, distrito da Guarda, a 7 de novembro de 1913, filho de João Alves Saraiva e de Estela Leitão Corte Real.

Foi incorporado no Curso de Infantaria da Escola Militar, a 1 de novembro de 1933.

Foi promovido a Alferes no dia 1 de novembro de 1936. Nesta data foi colocado no Batalhão de Caçadores N.º 1. Seguidamente iniciou o Curso de Piloto Aviador para Oficiais, que concluiu a 23 de agosto de 1937.

No dia 9 de outubro de 1937 foi colocado no Grupo Independente de Aviação de Protecção de Combate (GIAPC), em Tancos.

No dia 21 de janeiro de 1939 foi colocado na Base Aérea de Tancos e a 27 de julho de 1940 na Base Aérea N.º 1, em Sintra, como Instrutor de Voo, onde, a 1 de Dezembro de 1940, foi promovido a Tenente.

No dia 1 de dezembro de 1942 foi promovido a Capitão, passando a comandar a Esquadra de Instrução e Treino de Pilotagem.

No dia 3 novembro de 1948, após a conclusão do Curso Geral de Estado-Maior, foi promovido a Major, seguindo-se a colocação na Base Aérea N.º 2, na Ota, onde foi assumir o comando da Esquadra de Caça N.º 1.

A 1 de janeiro de 1953 foi promovido a Tenente-Coronel, seguindo-se a nomeação para 2.º Comandante da Base Aérea N.º 2.

A partir de 31 de outubro de 1956 foi colocado no Secretariado Geral da Defesa Nacional e, a 15 de março de 1957 foi promovido a Coronel.

No dia 21 de julho de 1959 foi promovido ao posto de Brigadeiro, tendo sido nomeado Director da Direcção do Serviço de Material.

A 2 de maio de 1961 foi nomeado Subchefe do Estado-Maior da Força Aérea e a 6 de junho foi promovido a General.

No dia 4 de março de 1964 foi promovido a General de quatro estrelas, passando a exercer as funções de Chefe do Estado-Maior da Força Aérea, cargo que exerceu até 12 de maio de 1967. Após ter cessado funções, foi nomeado Inspector-geral da Força Aérea, cargo que acumulou com o de Presidente do Conselho Superior de Disciplina da Força Aérea.

Durante a sua longa e notável carreira militar foi agraciado com inúmeros louvores e as seguintes condecorações: Grande Oficial da Ordem de Avis, Comendador da Ordem de Avis, Cavaleiro da Ordem de Avis, duas Medalhas de Ouro de Serviços Distintos, Medalha de Prata de Serviços Distintos, as Medalhas de Mérito Militar de 1.ª e 2.ª Classes e as Medalhas de Ouro e Prata de Comportamento Exemplar. Foi ainda agraciado pela Espanha com a Grã-cruz de Mérito Aeronáutico com Distintivo Branco e com a Cruz de 2.ª Classe da Ordem de Mérito Aeronáutico Distintivo Branco. O Governo Francês concedeu-lhe o Grau de Comendador da Legião de Honra e o Governo Brasileiro o Grau de Comendador da Ordem de Mérito Aeronáutico.

Passou à situação de reserva a 7 de novembro de 1975. No dia 18 de novembro de 1977 assumiu as funções de Promotor no Supremo Tribunal Militar e a 30 de junho de 1978 de Promotor de Justiça Ad Hoc junto do Supremo Tribunal Militar.

A 10 de abril de 1979 voltou a assumir as funções de Promotor no Supremo Tribunal Militar, cargo que foi revogado a 9 de junho de 1981.

No dia 5 de agosto de 1981 assumiu o cargo de Promotor no 5.º Tribunal Militar Territorial de Lisboa.

O General Corte Real veio a falecer a 21 de outubro de 1982.