Esquadra 504 - "Linces"

De modo diferente da generalidade das esquadras de voo da Força Aérea, a criação da Esquadra 504 surgiu com a necessidade de apoiar missões com um carácter de âmbito civil. Com a globalização, tornou-se necessário transportar, de forma digna e rápida, as mais Altas Individualidades da Nação, em representação do Estado português, para qualquer parte do mundo. Nesse sentido, em 1984 foram adquiridos três Falcon 20, comprados à empresa americana Federal Express, e a 12 de janeiro de 1985 foi criada a Esquadra 504 na Base Aérea Nº6, no Montijo.

Por razões de ordem operacional, a Esquadra foi colocada a partir de 1990 em destacamento permanente no Aeródromo de Trânsito N.º1, em Lisboa. Face aos requisitos de maior autonomia e alcance, em resposta aos destinos que começaram a ser solicitados, a Esquadra viu a sua frota reforçada por três aeronaves Falcon 50 entre 1989 e 1991.

Ao longo da sua existência tem sido reconhecido aos Linces, de várias formas, o seu esforço, empenho e dedicação no cumprimento das missões. Em julho de 2000, a esquadra recebeu a Medalha de Ouro de Serviços Distintos das mãos do então Ministro da Defesa. Tem alguns louvores, nomeadamente de antigos Presidentes da República, Primeiros Ministros e Chefes de Estado Maior da Força Aérea, bem como várias cartas de agradecimento, principalmente de hospitais, devido às várias evacuações sanitárias e transportes de órgãos efetuados.


MISSÃO

Executar operações de transporte aéreo especial. Esta tipologia de missão leva a que a esquadra esteja geralmente associada às missões de transporte aéreo de altas individualidades nacionais e estrangeiras, embora sejam executadas, também, outras missões de transporte aéreo menos comuns. Como o próprio nome indica, operações de transporte especial, operações em que o fator distância e tempo são de grande importância, por vezes vital, como por exemplo voos de apoio logístico,  evacuação sanitária e de transporte de órgãos para transplante.