Entrevista no Dia do Programador

No dia em que se assinala o Dia do Programador, o Chefe de área na Força Aérea, Major Mário Pereira, responde a algumas questões que ilustram o que faz um programador e qual o percurso deste militar na Força Aérea.

Qual é o papel de um programador na Força Aérea? 

Major Pereira - "Um programador tem desde logo a grande responsabilidade que é sustentar e evoluir, por exemplo, sistemas de informação que dão suporte direto à sustentação da capacidade dos sistemas de armas. Tem de ser capaz de, a par com a sua função de programador, manter a sua vertente castrense, o que nem sempre é fácil."

 

Qual o impacto do seu trabalho na capacidade que a Força Aérea tem para cumprir a sua missão de uma forma eficaz? (ex: intelligence data... capacidade de combate...)

Major Pereira - "Tendo em consideração que cada vez mais a atividade das empresas assenta em tecnologia e que a Força Aérea, por inerência sua missão e dos meios que opera, se posiciona numa das mais evoluídas tecnologicamente, o nosso trabalho tem assumido ao longo do tempo uma maior preponderância. Criamos e sustentamos software tão variado que abarcamos quase a totalidade das áreas de funcionamento, sendo autónomos praticamente em todas as áreas. Desde gestão operacional (aeronáutica), passando pela gestão da manutenção de sistemas de armas, até à gestão logística, financeira e de recursos humanos. Somos também responsáveis por todos os sites que a Força Aérea possui on-line."

 

Na ótica do Sr. Major, como é chefiar a sua área?

Major Pereira - "É uma área que pela sua complexidade e constantes desafios, requer uma constante e elevada capacidade de organização do trabalho e de gestão dos ativos humanos. A necessidade de dar resposta às imensas solicitações obriga a procurar constantemente novas formas de organizar e motivar as equipas. Tenho procurado criar uma dinâmica no desenvolvimento de software que acompanhe as metodologias, técnicas e frameworks mais modernas e com bons resultados, por forma a extrair o melhor de cada um. Claro que a identificação com a própria missão da Força Aérea ajuda a que todos estejamos juntos e motivados o que facilita e potência os bons resultados."

 

E o que o fez seguir esse percurso dentro da vossa área?

Major Pereira - "Comecei como programador de software de 1997 a 2000, passei a Administrador Sistemas e de Bases de dados de 2004 a 2007. Em 2007 regressei ao desenvolvimento de software e em 2011 passei a arquiteto de sistemas entre outras funções, passando a chefiar todas as equipas de desenvolvimento desde 2019."